domingo, 29 de novembro de 2015

Arthur e a Psicóloga...

É o maior clichê de todos, mas é a mais pura verdade: filhos não vem com manual! Digo isso, porque na maternidade a gente aprende, aprende e aprende todos os dias, cada situação te leva á uma nova janela, á uma nova conclusão, á um novo aprendizado e você se dá conta que não sabe de tudo mesmo. Um dia, em uma aula de Psicologia na faculdade, a professora disse assim:

"É claro que uma mãe não é a mesma para os filhos, pois cada um chegou em uma determinada época de sua vida. Cada filho nasce em um momento diferente da nossa vida". 

Achei aquilo tão significativo, tão verdadeiro, que eu nunca mais esqueci. Em alguns sentidos, a mãe que eu fui para o Arthur, não é a mesma que estou sendo para o Thomas e vice-versa, porque muita coisa já aconteceu nesse processo.

Esse ano foi um ano difícil para o meu filho Arthur na escola, em termos de convívio social, tivemos uma fase nova e um tanto desgastante. Nada fora do normal na vida de um menino de 7 anos no 2° ano do ensino fundamental. Mas ao mesmo tempo que não é "nada" para nós pais, para os pequenos é um tormento, uma tempestade que parece que não vai ter fim, como uma novela mexicana acontecendo na nossa casa todos os dias.

São situações que todos nós já passamos na escola um dia, as rodinhas de amigos, o ciúme do amigo preferido, o dividir (ou não dividir) do lanche, enfim, situações que fazem parte do crescimento social de qualquer pessoa.

Mas meu filho Arthur é pura emoção, não peça razão á ele! Isso afetou suas notas, seu temperamento, a relação com o irmãozinho, enfim, afetou tudo á sua volta. Tamanho envolvimento emocional nos fez procurar ajuda profissional e agora ele está indo á uma psicóloga. A sua maior dificuldade no momento é não saber se expressar, verbalizar aquilo que o incomoda e então ele chora, tem reações explosivas, se fecha, se isola... deixa de ser ele mesmo por um tempinho, mas depois volta a sorrir, a falar alto e fazer palhaçadas!

Se não bastasse a pressão natural do "crescer", nessa escola que ele estuda atualmente, os alunos são avaliados toda semana por uma prova, para acompanhar o seu desempenho. Pra mim, que estudei em escola pública a minha vida toda, custa um pouquinho a entender porque hoje se exige tanto e tão cedo. Mas temos que acompanhar as mudanças, certo? A escola é ótima, Arthur está se desenvolvendo e muito lá. Mas eu sou do tipo que me preocupo mais com o bom estado emocional do meu filho, do que com um boletim exemplar, sabe? Já o meu marido é mais focado nas notas, está sempre acompanhando o seu desempenho, participa das reuniões da escola, faz lição de casa com ele, é um pai muito presente. Eu alimento o coração e ele o intelecto e assim vamos funcionando como uma balança 

Uma situação em particular nos aborreceu um pouco. Há muito tempo Arthur se queixa de um coleguinha específico, diz que este criou um clube do qual somente o meu filho não podia participar, pegou o lanche de outras crianças as deixando com fome, chamou o lanche do meu filho de "podre" no dia que eu mandei uva na lancheira, quando Arthur chora na escola, este chega perto dele e o chama de "bebê chorão", enfim...

Uma terceira mãe, cansada da situação foi reclamar com a mãe do menino em questão na porta da escola e esta foi pega de surpresa, não sabia que o filho fazia isso, ficou constrangida, disse que conversaria com ele. Mas na minha vez de falar com ela sobre o meu filho eu recebi uma reação diferente, e em uma conversa quase surreal ela usou a palavra "mimado" para se referir ao meu filho. Disse isso sorrindo, um leve ataque disfarçado de "brincadeira". Mas eu fui uma lady e mantive a compostura, rs. Eu sei que o Arthur tem os seus problemas, mas também sei que não é nada disso. Depois dessa, eu resolvi deixar pra lá. Apenas sorri e segui em frente. Decidi focar no meu filho e fortalecê-lo para situações assim.

Bem, mas o post é para falar que o fato de levar meu filho na psicóloga é aceitar que ele tem falhas, mas que essas falhas podem ser corrigidas. A terapia ajuda e muito nos problemas emocionais e comportamentais de uma criança. Como mãe, farei tudo ao meu alcance sempre! O Arthur é um menino bom, de bom coração e isso é o que importa acima de tudo 

Semana passada Arthur chegou da escola dizendo que este mesmo coleguinha levou uma squeeze na escola e estava cobrando dinheiro para dividir sua água com os amigos, um deles chegou a pagar com uma moedinha de 0,25 centavos. Perguntei para o Arthur o que ele achava disso e ele teve a reação mais inocente e engraçada que ele poderia ter:

"Mãe, eu vou chamar ele de Seu Siri gueijo! Porque eu acho que os dois só pensam em dinheiro!" - e então nós rimos!

Provando duas coisas aqui: que apesar dos pesares, meu filho tem sim senso de humor e que o Bob Esponja também tem grandes ensinamentos 

E assim a vida segue, errando, acertando e acreditando que tudo pode melhorar... sempre!

Desculpe o looongo desabafo,

Bjs

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Contact que te quero ♥

No final de semana eu fiz um teste. Foi um daqueles momentos: "Como eu nunca tinha pensado nisso antes?". Peguei um pedaço de contact e testei em um dos meus furadores. Parece uma "descoberta" bobinha, mas me deu ideias super legais com relação á furadores maiores e suas muitas possibilidades. Eu só tenho mini furadores, por enquanto, mas agora pretendo procurar uns maiores e explorar essa combinação, inclusive para preparar as futuras festas dos meninos, por exemplo. Por enquanto, o meu teste foi parar na janela do quarto dos meus filhos 





A caneta que eu usei para escrever é a Pen-Touch que eu já mostrei nesse post aqui.
Alguém já testou contact em furadores? Conta pra mim, vai?!

Bjs

quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Ultimamente...

Na última Quinta-feira, teve uma chuva assustadora aqui na minha cidade, fazendo muitos estragos pela região. O vento fez a água da chuva entrar no forro de madeira e choveu em cima do meu sofá e na mesa da cozinha também. Me deu agonia de ver essa cena! Não pude deixar de pensar nas pessoas que tem suas casas invadidas pela água e que perdem tudo. Me deu tristeza. Caiu também uma árvore arrebentando os fios telefônicos, resultado, ficamos 6 dias sem internet e telefone em casa, hoje tudo voltou ao normal!

Fiz um "apanhado" em fotos resumindo os nossos dias ultimamente, só para registrar aqui neste blog, que eu gosto tanto, mas que continua um tanto abandonado. Queria que o dia tivesse mais horas, juro mesmo!!!

No mês passado eu fotografei uma recepção de um casamento e foi a minha primeira vez fotografando profissionalmente á noite. Aqui entre nós, fiquei tensa nesse dia, com dor de barriga, com medo de não conseguir acertar a luz e quase (quase!) o pânico toma conta de mim. Mas eu fui forte e isso não aconteceu. Deu tudo certo no final 

comprei um caderninho muito fofo para anotar todas as minhas peripécias fotográficas daqui pra frente...

Teve apresentação na escola do Thomas, já em ritmo de encerramento de ano. Ele foi o vento 

Marido e eu tivemos uma noite só nossa e fomos ver um Show tributo ao Abba. Essas fotos são do celular. Cantei alto todas as músicas, foi terapêutico 

Agora eu tenho um cartão de visita para chamar de meu. Repararam que o logotipo é a mesma borboletinha do blog? 

E a pedido dos meus filhos, no último final de semana nós montamos nossa árvore de Natal. Era para ser próximo ao fim do mês, mas então marido e eu pensamos: "Esperar o quê? esperar pra quê?". Que vivamos o hoje, afinal!

Bjs

domingo, 1 de novembro de 2015

Bem Vindo Novembro...

Hoje o dia amanheceu chuvoso, Céu cinza, sem nuvens ou qualquer sinal de tom azul. Será um Domingo de vídeo-game á vontade para os meninos e os meus planos de colocar as roupas para lavar em dia, foram arruinados! Mas nunca se sabe, daqui a pouco o Sol pode aparecer e mudar todos os meus planos! De novo.

Novembro chega anunciando que o fim de ano está próximo. Hora de (além das roupas sujas), colocar muitas coisas em ordem até o final do ano. É tempo se organização, ou como gosto de chamar... reorganizar-se 

Bjs